Reflexões do meu dia a dia, dos assuntos cotidianos, das polêmicas, das vivências... Aquelas idéias que talvez alguém queira compartilhar e opinar. Afinal aprendizado e conhecimento vem de discussões e troca de experiências!

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

5. A espectativa da maternidade. Quero ter filhos, mas sou a favor do Aborto.

Depois que eu me casei tudo que me perguntam é quando eu vou ter filhos. A pressão é tão grande, como se fosse uma obrigação imediata. Calma lá! Acabei de me casar, não tem nem um ano! Quero namorar bastante, viajar e explorar o mundo com meu amado. Trabalhar, juntar dinheiro, comprar uma casa, mobiliar,  curtir cada cantinho da casa e aí sim eu vou fazer um filho. 

Confesso que até tenho pesadelos com gravidez. Isso mesmo: PESADELOS. Eu sei que não tá na hora. Acabei de me mudar pra outro país, estou aprendendo a conviver diariamente com meu marido. Eu quero uma relação forte, e eu quero aproveitar com intensidade a companhia dele. Quero viajar, sair, beber, me divertir com ele. Não quero engravidar e ficar pensando em tudo que eu estou perdendo. Eu quero engravidar e ter histórias pra contar pros meus filhos. Quero ter certeza que o tempo em que eu me desligar de tudo pra ser mãe de verdade, eu vou estar fazendo com todo amor e vontade do mundo. 

De certa forma me ofende o quanto as pessoas cobram que eu tenha uma "barriga". Todo mundo sonha, tem "certeza" que eu estou grávida. Todo fim de cartela de anticoncepcional é aquela tortura esperando que a menstruação desça. As pessoas te deixam paranoica! Insegura, e de certa forma isso pode até afetar a vida sexual do casal. Eu até parei de conversar com as pessoas que me cobram tanto e só falam da minha urgência em ter filhos, que assim eu aproveito mais a minha vida a dois.

A única razão pra se colocar um filho no mundo é "querer". Não é pra ter alguém pra cuidar de você quando for mais velho, ou porque a sociedade quis assim. Eu quero ser mãe. Mas tomo/tomei pílula anti-concepcional a vida inteira porque eu quero que a minha maternidade seja na hora certa. 

Mas nem todas as pessoas querem ter filhos. E é direito delas. Formar uma família não é obrigação. Fora que conceito de família hoje, por sorte, está muito mais diversificado. Se todos fossem capazes de gerar filhos tão perfeitos e educa-los o mundo não estaria tão cheio de violência, desonestidade falta de caráter. Os nomes disso são a falta de interesse de educar os filhos, falta de estrutura social e falta de capital. Então se uma pessoa tem a PLENA CONSCIÊNCIA que NÃO QUER, NÃO TEM CONDIÇÕES, NÃO TEM O MÍNIMO INTERESSE EM SER MÃE, respeite. Nenhuma mulher vai usar aborto como contraceptivo. O trauma é muito grande, não só pro corpo como pra mente... O que falta é estrutura social.  O único problema é que a nossa sociedade é tão hipócrita que uma mulher só pode ligar as trompas por exemplo, depois que tiver 2 filhos. A PESSOA NÃO QUER, e não tem direito nenhum nem de se prevenir (porque TODO MUNDO SABE QUE NENHUM MÉTODO ANTICONCEPCIONAL QUE TEMOS ACESSÍVEIS É 100% SEGURO), e quando chega ao caso de acontecer acidentalmente uma gravidez, ela não tem como terminar. E eu acho muito mais digno não ter filhos do que jogar uma criança no mundo sem rumo.
 
Enquanto ficam aí: "Aii sou contra o aborto", mas quando alguém te assalta, bate no seu carro, ou até mata uma pessoa que você ama, é a mãe desse cidadão que você xinga. E é a morte dele como justiça que você anseia. E principalmente essa criança que você quer obrigar o outro ter, você não vai levar pra casa e criar da maneira que se deve. Então esses que roubam, que matam em sua GRANDE maioria são filhos não desejados? De mães sem estrutura? Sem interesse nenhum de cria-los?! Então pode-se deixar crescer marginais e ai quando adultos mata-los e desejar que eles nunca tiverem nascido?! É isso!?

Então chega de hipocrisia. Respeite a vida e escolhas dos outros. As suas convicções, as suas decisões, são suas e dizem respeito a sua vida. A dos outros, não são da sua alçada

Eu não faria um aborto, pelas minhas convicções pessoais e religiosas, mas como ser humano EU RESPEITO O OUTRO, independente de suas escolhas e crenças.

Toda mulher sabe a violência que um aborto causa no corpo, ninguém vai se submeter a uma coisa de tamanha violência a não ser que realmente seja a única opção. Adoção??? O que tem de criança jogada pensando "porque eu não fui amada" não é brincadeira. O sistema é falho. Se você não adota, se você não apadrinha crianças abandonadas,e muito menos faz caridade pra crianças carentes (não falo de doar 5 pila pro criança esperança não) não estufe o peito e fale com propriedade sobre coisas que você não tem o interesse de fazer.

Tá passando da hora também do Estado deixar as pessoas com mais de 25 que não queiram ter filhos terem o direito de fazer uma Esterilização. Seja pelo ligamento das trompas ou uma vasectomia. E se a pessoa mudar de idéia? O Sistema de Adoção tá aí, vai fazer um bem pra sociedade.

1. Ser Mãe é Pra Quem Quer, e não uma obrigação

2. Nem todo casal quer ter filhos

3. Muitas mães solteiras não tem apoio financeiro do pai da criança, que mente o seu ganho pessoal ou simplesmente não trabalha pra não ter obrigação para com o rebento que não queria.

4. O aborto do homem é bem mais simples, é só virar a cara e falar "esse filho não é meu", ou fazer como o citado acima, sem que não tenha nenhuma responsabilidade de um filho que ele TAMBÉM FEZ.

5. É dever do Estado a saúde, independente da concepção religiosa a qual o paciente pertence. O Aborto deve ser humanizado. E não ser um risco pra vida da mulher em mão de açougueiros, venenos, entre tantos outros métodos perigosos de terminação.

6. O planejamento e estrutura familiar deveria ser direito. Se uma mulher não quer ser mãe, ou um homem não quer ser pai, AMBOS deveriam ter direito a esterilização se assim é sua vontade, independente do número ou ausência de filhos.
7. Sou cristã, tenho minhas convicções religiosas, mas entendo que o mundo é grande, cheio de religiões e convicções diferentes das minhas. Então eu respeito a diversidade de pensamentos. Nenhuma pessoa deve ser vitima de violência pelas suas escolhas. Se a minha decisão pessoal não altera em nada a vida das outras pessoas da sociedade, não diz respeito a eles, e somente a mim mesma.

8. Se você é contra o aborto, tenha seus filhos e os ame muito, e principalmente ensine a eles sobre diversidade e respeito. Não é porque você não gosta, não concorda que as coisas estejam acontecendo. Devemos falar nesses assuntos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário