Reflexões do meu dia a dia, dos assuntos cotidianos, das polêmicas, das vivências... Aquelas idéias que talvez alguém queira compartilhar e opinar. Afinal aprendizado e conhecimento vem de discussões e troca de experiências!

domingo, 11 de janeiro de 2015

1. O Início de Tudo : Eu quero ser Feliz!

Sempre faço muitas reflexões durante meu dia a dia. Penso nos caminhos que trilhei pra chegar até aqui. Mulher, baixinha, fora do peso, casada, sem filhos, pouco contato com a família, porém muito feliz. Acho que sempre nos vendem uma idéia de felicidade inatingível e nos faz esquecer das principais coisas: somos pessoas diferentes, umas mais baixas, outras mais magras, umas solteiras, outras com alguma limitação física, gente que gosta de filme antigo, gente com medo de escuro, gente que gosta de gente do mesmo sexo, e principalmente gente criada em situações, condições e circunstâncias diferentes! Como dizer pra essa variedade de gente que a receita da felicidade é só uma?! 

Persegui primeiro a idéia de que família é a base de tudo, que você pode confiar, que eles jamais te decepcionariam. Primeiro erro. Com o tempo a gente aprende que todos em sua experiência de vida são capazes de errar, de mentir, e te machucar, por mais que tenham a melhor das intenções. Tive muita sorte, isso eu jamais vou negar. Boa educação, boa alimentação, moradia com tudo que eu tinha direito além de transporte próprio. Carinho, muito carinho, as vezes até em excesso. Sou produto de uma infância completa e feliz.

Já na adolescência comecei a perceber que nem todos ao meu redor eram super-heróis, a partir do momento que você adquire sua autonomia, você passa a ter conflitos pelas suas idéias, e mais do que isso, aquelas respostas simples e chantagens com agrados já não funcionam quando você vê uma discussão acontecendo, você tem olhos ouvidos e capacidade de entender tudo o que está acontecendo. Daí você começa a concordar, ou discordar com as atitudes de quem nos cerca. Não é que a adolescência os filhos ficam "terríveis". Eles só cansam das mentiras que os pais contam. Eu tive bem divido os dois comportamentos, um lado que mentia, tentava me comprar com presentinhos e o outro lado que ficava do meu lado e me dizia a verdade por mais que doesse... Advinha de qual lado me aproximei mais? 

Então família pode te trazer felicidade, mas não é o sinonimo pra isso. Ter carinho e gente que te apoia com certeza torna tudo mais fácil, mas nem todos nós temos a sorte de pessoas verdadeiras. Nem todos nós temos pai e mãe em casa. As vezes não temos ninguém. A tal da diversidade de circunstâncias. Mas também a prova que só porque você não teve "berço" não quer dizer que você não alcance a felicidade.

Outra coisa que aprendi é que família não é formada só por papai, mamãe, irmão... Família é formada por pessoas que se importam com você. Tenho muitos pais de coração que cuidaram de mim quando eu precisei e tive muitos irmãos que me apoiaram que não tem o mesmo sangue que o meu. Família é quem a gente escolhe pra conviver com a gente. O marido, a esposa, o namorado, a namorada, e os melhores amigos... Nenhum deles é obrigatoriamente seu parente e não deixam de ser a sua família, o seu apoio nas horas difíceis. E como a família tradicional eles também estão totalmente aptos a te decepcionar... mas não quer dizer que não vão te ajudar a alcançar a felicidade.

Depois procurei felicidade na aparência. Os filmes, novelas, sempre mostram que as mulheres bonitas tem tudo. As pessoas bonitas em geral. Tem dinheiro, prestígio, são adoradas, tudo é mais fácil! Passei uma adolescência inteira buscando um corpo que se eu tivesse hoje seria grata, e me amaria bastante! O que não explicam pra gente é que meu corpo não vai mudar pra ficar igual o de uma pessoa com o biotipo diferente. Eu e as minhas coxas grossas jamais seriamos magrinhas como uma modelo de passarela. Até posso chegar a isso, mas passando por uma doença grave de nutrição pra perder tanta massa muscular. Dá pra mudar o corpo com cirurgia plastica, mas mesmo assim não dá pra fugir do biotipo. Busquei tanto a felicidade em ser como os outros que não sabia o quanto eu já era feliz. Tudo era tão menos complicado!

Na infância, os problemas de uma criança classe média, é escolher os brinquedos que querem brincar, as cores que vão colorir o desenho, qual será a próxima diversão. Adolescente, passar nas provas finais, ficar bonita pra quando o gatinho/gatinha passar, achar o seu grupo, não se sentir embaraçado pelos pais. Mas claro que o dia a dia nos trás surpresas que podem abalar bastante a nossa normalidade. Eu por exemplo perdi vários amigos por suicídio. Pessoas do meu dia a dia simplesmente viraram nada tendo tanto pela frente... Divorcio dos meus pais foi outra coisa que me abalou muito. Mas principalmente ver pessoas que eu gostava se perderem numa decisão ruim de acabar com a vida, me abriu os olhos pra muitas coisas que eu não percebia antes. A sorte de ter um dia a mais nesse mundão imenso. 

A partir desses acontecimentos eu percebi que eu era a única responsável pela minha vida, os caminhos que eu iria seguir, as coisas que posso conquistar, e consequentemente em como ser feliz. Aprendi que é necessário procurar certos prazeres pra aguentar todas as adversidades que vão aparecer no caminho, porque a vida vale a pena, e muito! Apesar de todos sermos vítimas das incertezas de como e quando a vida terá fim, nos cabe aproveita-la ao máximo e claro preserva-la para seguirmos em frente. Nesse caminho de procurar uma vida boa e bem vivida, tenho tido meus erros e acertos, mas que estão fazendo a minha experiência única e incrível. 

O meu convite, com essas reflexões que aqui escrevo, é que percebam que tudo que acontece trás uma consequência ruim e uma boa. Cada dificuldade, por mais que machuque, nos ensina buscar novos caminhos para tornar tudo melhor. Pelo menos eu, a cada dia, agradeço a chance de te-lo vivido, e peço mais saúde e mais tempo, pra conhecer mais do mundo, amar mais, conhecer novos sabores, e errar bastante, pra poder superar as quedas e sempre buscar novas maneiras de ser feliz. Isso é algo que mesmo vindo de várias vidas distintas, é possível pra todos, em seus diversos prazeres.

Minhas alegrias por exemplo são: meu marido, cozinhar, comer, viajar, tirar fotografias, bebês (se me for permitido, terei o meu), cantar, dançar, entre outros. Nesses momentos eu descubro a felicidade plena! Com o tempo meus prazeres podem mudar, mas com certeza encontrarei outra razão pra ter meus momentos de alegria.

O que te traz alegria!? E quanto disso você tem na sua vida hoje?! Eu por exemplo opto por cozinhar quase todos os dias, pra comer bem e o que eu gosto. Viajo pelo menos 3x ao ano, tiro foto de todos os lugares que eu vou, canto no chuveiro e mimo o bebe dos outros na rua!  O Marido eu namoro todos os dias! Sempre o encho de carinho e por sorte recebo de volta - afinal amor é uma vida de mão dupla!

Felicidade não tem um modelo a ser seguido, e não está em uma pessoa ou um grupo delas, não é um corpo, condição financeira, e sim o que te faz sentir especial, mesmo que não faça muito sentido pras outras pessoas. Eu sou gordinha e quero emagrecer, meu marido ama gordinhas... vai entender!

Nenhum comentário:

Postar um comentário